A Odisséia da vida a dois – dia 365

Olá olá! Como vão amados leitores?

Como o título sugere, tem exatamente 1 ano que embarcamos, literalmente, na vida a dois. E de lá pra cá aconteceu bastante coisa! Fomos pra Shanghai, alugamos um apê, arranjamos trabalho, viajamos pela Ásia, voltamos, e agora moramos na terra mágica onde as roupas sujas voltam limpas para dentro do armário e a comida na geladeira nunca acaba: a casa da sogra! Hahahah.. Mas é por pouco tempo, já encontramos um cantinho e estamos esperando a papelada dar certo! Cruzem os dedos! 😀

Pois bem, e no episódio de hoje: Namorar versus Morar junto.

agnes

Ilustração de Agnes Cecile (disponível para compra no Society6)

Volta e meia alguma amiga comenta: “Agora a Anita casou!”, “E aí, como é morar junto?”. Sinceramente? Eu sinto a falta de namorar, de passar mais tempo com o meu gatinho. Disse isso para ele esses dias, enquanto ainda estávamos deitados na cama pela manhã, aí ele me perguntou: “mas isso que estamos fazendo agora, não é passar tempo junto?”

É claro que passamos bastante tempo junto. Dormimos um ao lado do outro por pelo menos 7 horas ao dia; sentamos na mesma sala, cada um com o seu computador, por outras tantas horas; vamos ao cinema ocasionamente; à casa dos amigos, e por aí vai.

Não sei se é saudosismo demais de minha parte, mas eu gostava quando eu morava na minha casa, ele na dele, e nos víamos 2 vezes por semana. Ele ia até a minha, saíamos para comer ou pedíamos uma pizza, e passávamos o resto da noite bolando planos para conquistar o mundo. Durante o resto dos dias ficávamos no gtalk papeando por horas a fio.

Hoje é só tirar os fones de ouvido e falar com ele. Morar junto, ter uma rotina com o outro incluído é muito gostoso. Mas eu gostava também de interromper a rotina e arrumar tempo para ficar só com o gato. Gostava da ansiedade, das despedidas e dos re-encontros durante o período “só namoro”.

Se eu gosto da vida a dois? Gosto, mas será que não posso ter os dois, o conforto da conchinha de toda noite E as borboletas no estômago? Será que a cada toda escolha há mesmo uma renúncia?

Photo on 2013-04-01 at 23.28 #3 Por enquanto Anitão escolhe ficar com os fones de ouvido! 😛

Comments

comments

Related posts:

10 comentários em “A Odisséia da vida a dois – dia 365

  1. Eu não sei como é ‘morar’ junto… o máximo que eu fiquei foi duas semanas na casa do ex (ele morava no rj e eu em recife)… e olha, eu gostei. acho que talvez pq eu sabia que logo voltaria pra casa e pra o skype.
    mas acho que isso é normal, anita. a gente sempre sente falta de algo que ‘não tem mais’ ou algo assim.

  2. Um ano! Parabéns, Anita. Olha, eu já tô com 23 anos com meu gatinho e amo demais está pertinho dele sempre. A gente só se separa quando ele tá no trabalho hihihihihihihi… Amo essa vida de Amélia, Isaura etc etc etc. rsrsrs E ainda sinto borboletas no estômago, viu!!! Sou sortuda, né? 😀 😀 😀

    Vida longa ao relacionamento de vocês 😉

Deixe uma resposta